Bom dia, queridos seguidores do nosso Blog Amor Down! Vocês se recordam que trouxemos aqui o acidente que a Alice sofreu?

Em conversa com a profissional Amanda Alonso , Terapeuta Ocupacional Crefito 8811-TO, que possui especialização em Terapia da Mão e Certificação Internacional de Integração Sensorial pela WPS, realiza acompanhamento terapêutico com a Alice na Clínica UNI, pensamos em dividir esse conhecimento e formação dela com vocês, para que todos saibam que existe este trabalho e o quanto ele é importante.

"A Alice é uma criança encantadora, esperta, determinada, cheia de energia e muito sapequinha. Essa pequena iniciou o acompanhamento de Terapia Ocupacional, através da abordagem de Integração Sensorial desde os seis meses de idade.

A estimulação precoce através de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, possibilitaram a ela uma estimulação oportuna perante aspectos cognitivos, linguísticos e motores. Favorecendo o desempenho quanto à  participação social, comunicação, coordenação motora, perante o brincar e em atividades de vida diária e escolar.

Infelizmente alguns acidentes acontecem e nossa pequena teve uma fratura de antebraço D (rádio e ulna). Isso não abalou a mamãe Nara, entretanto - sempre muito positiva e proativa -, que ao me contar o fato, descobriu que também tenho especialização em Terapia da Mão.

As mãos funcionam como um escudo de proteção, pois quando nosso corpo pressente um perigo elas são colocadas à  frente. Por isso frequentemente se tornam alvos de traumas.

O que é Terapia da Mão?

É uma atividade profissional exercida por terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas especializados na área, para o tratamento de problemas nos membros superiores, tais como: fraturas, sí­ndromes compressivas, tendinites e tenossinovites, lesões em tendões e nervos, doenças reumáticas, queimaduras, rigidez, deformidades congênitas, entre outras.

De acordo com a necessidade do paciente, pode haver a indicação para uso de órtese, sendo um dispositivo que auxilia na reabilitação da mão. A órtese pode ter indicação para estabilizar ou imobilizar, impedir ou corrigir deformidade, proteger contra lesão e assistir a função. Podem ser pré-fabricadas ou confeccionadas sob medida pelo terapeuta ocupacional respeitando as características anatômicas individuais.

Através da terapia da mão, se maximiza a possibilidade de sucesso na recuperação funcional da mão comprometida ou do membro superior como um todo.

O terapeuta de mão deverá acompanhar o paciente desde o momento da imobilização, reduzir edema (inchaço) e a dor, verificar o posicionamento, prevenir rigidez articular, ganhar e ou manter a amplitude de movimento articular, força muscular, e estimular a função.

Após a retirada da imobilização, inicia-se a fase de recuperação da função, através de exercícios terapêuticos, mobilização articular e atividades funcionais.

Na fase inicial da reabilitação, os exercícios são feitos ativamente; os exercícios passivos e resistidos dependem da estabilidade e consolidação da fratura, e tolerância do paciente.

Geralmente, após duas semanas da retirada da imobilização, com a progressão da cicatrização da fratura e o ganho de amplitude de movimentos do punho e antebraço, exercícios de fortalecimento e alongamento podem ser iniciados. Caso haja dores e limitações de movimentos, os exercí­cios de contração isométrica são os exercícios de fortalecimento de escolha.

A fratura de antebraço pode implicar em complicações como rigidez articular, perda de força de preensão, deformidade residual da articulação de punho, entre outras. Quando o paciente é encaminhado precocemente à reabilitação, algumas complicações podem ser evitadas ou tratadas mais facilmente.

O tratamento com profissional especializado permite a recuperação da função e um retorno precoce as atividades de vida diária."

Terapia da Mão

 

Obrigada Amanda por dividir conosco seu conhecimento e pela parceria em expandir a ajuda à  outras famílias.

Até a próxima pessoal!!!