Pessoal, BOM DIA!!!! Hoje sairei um pouquinho da cronologia dos artigos, pois queria mostrar a vocês a Melissa hoje.

A Melissa completou 3 anos no dia 14 de Março de 2017 e com isto, sua dentição de leite deveria estar completa.

No dia 27 de Março a Melissa realizou um um raio-x  Panorâmica Total. Ai gente... vocês tinham que vê-la! Ela ficou quietinha na cadeirinha, mordendo o suporte para realizar o exame, parecia gente grande rsrs

Depois do exame pronto, no dia 30 de Março fomos até o consultório para que a Dra Regina Cecilia Setti (conhecida como “Sissa”) analisasse as imagens. Constatamos que a Melissa terá ausência de alguns dentes permanentes e que o espaço de sua boca realmente era muito pequeno para os dentes que viriam.

Então, fizemos os moldes de sua boca para que retornássemos em 20 dias para colocar o aparelho.

Novamente fiquei impressionada! kkkk A Melzinha parecia uma mocinha e deixou que a Sissa modelasse tranquilamente sua boca.

Seguem algumas fotinhos e vídeos para vocês verem rsrs. Obs: A Sissa estava sem voz neste dia kkk

BOCA – algo essencial BOCA – algo essencial

Bem, depois disso aguardamos o retorno para que ela já colocasse o aparelho.

Retornamos no dia 20 de Abril e mais uma grande surpresa! A minha abelhinha doce não deu um trabalho, deixou que a dentista colocasse o aparelho, cimentasse e também já fizesse os ajustes.

Esses ajustes serão diários, por 10 dias, e depois devemos retornar em 30 dias para que a Sissa analise os resultados.

Seguem algumas fotos e vídeos para vocês.

BOCA – algo essencial BOCA – algo essencial

BOCA – algo essencial

Ela aceitou até que bem a comida de noite, mas estava babando muito por conta dessa adaptação.

Claro que a vida não é fácil kkkk Vocês acharam que seria tudo flores??? Óbvio que não... rsrs Feriado de Tiradentes... Primeiro dia em casa com o aparelho e em fase de adaptação. Ela chorou muito para deixar escovar os dentes e ajustar o aparelho. Não sei dizer se fazia cócegas no céu da boca, mas ela se batia e não deixava fazer nada....

No dia seguinte já melhorou... deixei que ela mesma pegasse a escova especial para limpar o aparelho e com isso ela acabou cedendo. Hoje já está bem mais tranquila para higienizarmos a boca, aparelho e realizar o ajuste diário.

Abaixo a foto com o “ajustador” (azul) e a escova especial (amarela).

BOCA – algo essencial

Gente não estou brincando, já vi grandes melhoras na boquinha da Mel em dois dias de uso:

BOCA – algo essencial

E hoje com 1 mês de uso:

SAÚDE BUCAL

Estou impressionada e continuarei tentando tudo o que for possível para a melhora da boquinha dela, que consequentemente ajudará em sua fala/dicção.

Mas como disse, nem tudo é mil maravilhas... ela arrancou o aparelho algumas vezes e tivemos que recolocar... Ela é muito esperta e sempre arranja um jeito para tirar quando existe algo incomodando... Mas TUDO VALE A PENA. Estou dizendo isto por mim e pela Melissa, pois como vocês podem ver os resultados já foram explícitos.

SAÚDE BUCAL

SAÚDE BUCAL

Agora colocarei aqui uma explicação mais técnica da Dra Regina quanto à função deste aparelho.

Crianças e pré adolescentes que possuem as arcadas muito estreitas podem ter dificuldades respiratórias e dificuldade na erupção dos dentes, sejam eles de leite ou permanentes. A partir dos 3 anos já é possível intervir nesse problema ajudando o desenvolvimento dessa criança. 

Lembrando que a arcada superior chama-se MAXILA e a inferior MANDÍBULA vamos ter procedimentos diferentes para cada uma delas. 

As duas são formadas por metades (direita e esquerda). A união total da sutura que as une é uma das grandes diferenças. Na mandíbula essa união ocorre aos 6 meses de vida do bebê. Já na maxila a união das duas metades só vai ocorrer na adolescência, por volta dos 14 anos de idade. 

Quando temos a maxila atrésica (nome correto para o osso pequeno ou mal desenvolvido) podemos utilizar alguns aparelhos que denominamos DIJUNTORES OU EXPANSORES .

As crianças com Síndrome de Down têm como caraterística as maxilas atrésicas, e ausência de alguns dentes. Isso não é regra, mas encontramos em um grande número de crianças.

Como consequências da maxila atrésica teremos a falta de espaço para a erupção (nascimento) dos dentes, a dificuldade em mastigar e pela proximidade da maxila com o nariz, a dificuldade respiratória.

Essas dificuldades podem afetar o crescimento da criança, então, quanto mais cedo pudermos ampliar a maxila melhor será para ela.

A idade mais comum de começarmos a expansão ou dijunção da maxila é por volta dos 3 anos.

Pode parecer precoce, mas não é. Nessa idade a colaboração da criança é grande, e por ser colado junto aos dentes o uso é fácil. A adaptação nessa idade também é bem rápida e todo o processo é indolor.

O tempo de tratamento é de 6 a 8 meses, um tempo relativamente curto tamanho o benefício que trará.”

 

Sissa mais uma vez obrigada pelas explicações e ajuda que está trazendo à minha pequena pedra preciosa!

SAÚDE BUCAL