Bom dia Pessoal!!! Hoje estou aqui trazendo um artigo de uma grande amiga e super profissional sobre algo que para muitos é simples, mas que para as crianças fazem toda a diferença. A Ligia M Silveira, Terapeuta Ocupacional (graduada pela PUC Campinas em 2009, trabalha na Apae Campinas desde 2010, possui curso no conceito Neuroevolutivo segundo Bobath, curso em órtese de membro superior, curso FAME I e II, curso de formação no método Snoezelen/MSE, possui experiência profissional em atendimento clinico e atendimentos em instituições de Pessoas com Deficiência intelectual, associada ou não com outras comorbidades, experiência em inclusão no mercado de trabalho de pessoas com deficiência intelectual, associadas ou não com comorbidade (19) 981146888) trabalhou junto com a Psicóloga e mestre em psicologia pela Universidade São Francisco e doutora em Educação pela Unicamp Andreia Silva da Mara (tem experiência em avaliação neuropsicológica com participação em equipe técnica de avaliação multidisciplinar em Apae e é docente nos cursos de pós-graduação em Psicopedagogia e Neurociência da Faculdade de Campo Limpo Paulista – FACCAMP (19)975932728). Hoje ambas atendem na Clínica GREACO (Grupo de Reabilitação e avaliação cognitiva)- Rua Frei Antônio de Pádua, 1139, Jd. Guanabara. / Rua Capitão Francisco de Paula, 364, Cambuí.

 A importância do Brincar

 “Hoje em dia, especialmente nas diversas áreas da educação, ouvimos pessoas questionando sobre as atividades lúdicas desenvolvidas naturalmente pelas crianças. Partes destes questionamentos conotam uma visão ultrapassada de criança como sendo um adulto em miniatura ou, ainda, se alicerça na ideia de que estimular precocemente algumas das habilidades cognitivas das crianças através de atividades pedagógicas dirigidas e estruturadas fará com que elas aprendam mais rapidamente os conteúdos escolares.

Contrariando esse pensamento tão comum, o brincar na fase da infância é fundamental para desenvolver diversas habilidades nas esferas emocional, afetivo, cognitiva e motora. Sem contar que, em conjunto, o desenvolvimento de todas essas esferas pode ser contemplado e estimulado em tarefas lúdicas simples, mas essenciais para a ampliação da percepção da criança do seu lugar no mundo.

Quando uma criança propõe uma brincadeira aos seus coleguinhas, ela está colocando em ação parte do seu conhecimento já adquirido, mas também está se colocando em um novo processo de aprendizagem, pois irá compartilhar saberes e vivencias com os seus pares, principalmente porque, inevitavelmente, em alguns momentos irão se deparar com pequenos conflitos originados do tão peculiar egocentrismo característico desta fase do desenvolvimento. Quando bem mediadas, as crianças compreendem novos meandros existentes nas relações humanas e desenvolvem um pouco mais as habilidades socioemocionais, que as ajudarão a se tornarem adultos mais equilibrados para lidarem e resolverem variadas situações conflituosas.

Por isso, as brincadeiras são mais do que momentos de diversão, com o estímulo certo, ajudam a criança a compreender melhor o mundo, aprendem a viver em sociedade e é um ótimo meio de desenvolvimento de muitas de suas habilidades. Falamos que a aprendizagem ocorre nas esferas emocional, afetivo, cognitiva e motora, desenvolvendo uma enorme gama de habilidades relacionadas a cada uma dessas esferas.

Entre todas essas possibilidades de desenvolvimento, hoje vamos falar um pouco mais sobre a importância das atividades motoras e a sua relação com a aprendizagem da criança. A atividade motora envolve toda a espécie de movimento humano observado, embora Wallon também discuta sobre a existência de um movimento interno, referindo-se à capacidade que desenvolvemos de nos controlar, de sermos capazes de conter determinado movimento ou comportamento quando este não é adequado à situação. Um exemplo simples deste movimento interno descrito por Wallon pode ser ilustrado em uma dada situação, como por exemplo, de conseguir nos manter sentados durante a realização de uma tarefa, mesmo quando o nosso interesse seja outro.

Além do notório desenvolvimento muscular que as atividades físicas (motoras) propiciam, outros benefícios também são obtidos através destas atividades motoras. Através das brincadeiras que envolvem andar, pular, saltar, andar para frente, andar para trás, correr, entre outros, a criança vai adquirindo o equilíbrio estático (ficar parada e sustentar o seu corpo em uma determinada posição) e o equilíbrio dinâmico, que em conjunto são habilidades muito relacionadas à ampliação da coordenação motora global. Adquirem também a compreensão de elementos básicos que lhes permitirão o desenvolvimento das habilidades espaciais, dados a partir do entendimento da existência de posições (frente, atrás, em cima, em baixo), formando assim conceitos simples elaborados a partir da referência do seu próprio corpo em movimento. A lateralidade (direita e esquerda) é outro conceito simples, mas fundamental para posterior construção da escrita, pois o registro gráfico de letras e números segue um sentido lógico e uma direção.

Vejam quantos conceitos importantes as crianças aprendem só com essas atividades psicomotoras!!! Simplesmente fantástico!! E isso não é obtido se mantermos nossas crianças sentadas em torno de uma mesa, desde pequenas, realizando atividades com lápis e papel. Elas precisam se movimentar, falar, tocar objetos, fazer barulho, pois essas atividades também estimulam a audição, o tato e a percepção visual, pois o movimento do corpo durante as brincadeiras motoras permite às crianças construírem o conceito de profundidade e distância.”

São informações importantes que não podemos deixar passar, podemos estimular brincando, ajudamos nossos filhos de diversas maneiras.